terça-feira, 14 de dezembro de 2010










Tenho dois seres em mim
Quietos aqui no meu peito
Uma prefere gritar
Outra prefere calar

Uma é toda rebelde
Enquanto a outra descreve 
tudo aquilo que vê
Esta se chama Camila,
Sabe tudo e explica
Como a poesia nasceu
E como Pessoa morreu.

Meu outro ser é Ana
Tão louca,tão leviana
Que vive a disparecer
Livrando todo o seu ser.
De uma eterna agonia
Chamada monotonia
Que vive a lhe aborrecer.


Camila sonhando
Que em um cavalo branco
Viria lhe visitar seu lindo cavalheiro.
Enquanto a Ana fica quietinha,
esperando que o seu roqueiro
Nos palcos torne-a rainha.


Juntas com harmonia
Celebram a alegria
De poder ter enfim,
Um pedaço dentro de mim
Para chamar de moradia.


Um comentário:

'Larissa Moura disse...

achei perfeito! me sinto exatamente assim... parabéns.